Coisas que ninguém te contou antes de virar corretor

Coisas que ninguém te contou antes de virar corretor

Sabe quando você vê um jornalista na televisão fazendo altas viagens e acha que a profissão deve ser super dinâmica e aventureira? Pois é, ninguém fala sobre os dias e mais dias sentados sem sair da redação, as longas horas em frente ao computador, as longuíssimas reuniões de pauta, o nível das broncas quando alguma coisa sai errado ou as ameaças de processo porque você escreveu alguma coisa que alguém não gostou. Acontece a mesma coisa com o corretor de imóveis: a maioria das pessoas só pensa na flexibilidade de horários, nos ganhos ilimitados e já se sente preparada para a profissão só porque gosta de lidar com o público ou adora visitar casas. Tudo isso pode acontecer – ou não, afinal, nenhuma profissão é um mar de rosas. Por isso vale a pena ter uma visão realista do que é ser um corretor para entrar (ou se manter) na profissão com muito mais chances de sucesso.

Flexibilidade de horários – Sim e não 

Para muita gente um dos grandes atrativos de ser corretor é poder fazer sua programação, ser dono do seu nariz decidindo seus próprios horários de trabalho. Bem, nesse caso é sim e não. Sim, quando você é autônomo, opta por trabalhar em casa ou em um escritório que possa ser acessado mesmo fora do horário comercial (o que não acontece em muitos edifícios comerciais) e realmente fica mais livre para se programar. Mas mesmo assim, dependerá sempre da disponibilidade alheia, dos clientes – principalmente – e dos proprietários caso o imóvel não esteja vazio e a chave com você.

Não, porque, por outro lado, se trabalhar em uma imobiliária você terá que cumprir o horário definido para sua jornada de trabalho, inclusive plantões de finais de semana, rodízios, escala de férias, etc. Como é a imobiliária que paga suas comissões, você deve ficar à disposição, mesmo que um cliente o procure fora do horário pré-definido. Neste caso, o que você vai fazer? Passar a conta e a comissão para outro corretor e ainda correr o risco de ter que sair da imobiliária? Provavelmente não.

Networking: corretor, esqueça amigos e familiares a princípio 

Se você está ingressando na profissão contando com amigos e familiares, não crie expectativas: corretagem de imóveis é coisa muito séria, envolve muito dinheiro e, por isso mesmo, clientes querem corretores experientes. Por isso, se você está começando, não conte muito com amigos e familiares nem fique chateado se eles não o procurarem profissionalmente.

Em vez disso, dê mais atenção à captação de novos clientes com ações de marketing digital e à fidelização dos clientes que você já tiver, oferecendo um atendimento individualizado. Um CRM pode ajudar você nisso colhendo automaticamente informações valiosas para você criar diferenciais. Aí sim, estes clientes bem atendidos e satisfeitos o indicarão para amigos e familiares, divulgando o seu trabalhando e conseguindo mais clientes.

Não espere muito sucesso antes de 24 meses 

É quase como uma gestação prolongada, mas isso acontece em todos os ramos de atividades, em períodos maiores ou menores. No mercado imobiliário o tempo de incubação em 80% das vezes costuma durar em torno de 24 meses. Isso porque nesse meio tempo muitos corretores acabam desistindo da empreitada, sequer renovam sua licença no Creci e acabam partindo para outras atividades. É a peneira do mercado. Se você tem certeza que é o que você quer, tenha calma e persistência, e se você passar por estes dois anos é sinal que está no caminho certo.

Início também precisa de investimento 

Praticamente não existe negócio com investimento zero, por isso para ser corretor você também vai precisar ter uma verba separada. Mesmo que você decida por não alugar uma sala (e portanto não ter que arcar com aluguel e taxas de luz, água e condomínio, para dizer o mínimo), você terá outras despesas inevitáveis: combustível para fazer as visitas e mostrar os imóveis, roupas novas para manter a boa aparência, telefone para fazer seus contatos, internet e software imobiliário com CRM para gerenciar seu negócio e deflagar suas campanhas de divulgação. São investimentos contínuos e que sem eles é impossível trabalhar.

Corretor tem pouco tempo e muito trabalho

No final das contas, ser corretor de imóveis vale a pena, mas é preciso muita dedicação e persistência. Não esqueça que por trás de cada profissional de sucesso há muitas negociações que tomam bastante tempo, muito jogo de cintura, muito estudo e atualizações constantes e auxílio da tecnologia, esteja você trabalhando sozinho ou com uma equipe de apoio. Por isso, para equilibrar sua vida profissional com a pessoal e ter suas horas de lazer sem um aspecto atrapalhar o outro, é preciso muita organização e automatização de tarefas diárias que economizam tempo e otimizam o seu dia.

E você, como está se saindo? Tem encarado algumas dessas dificuldades? Compartilhe conosco a sua experiência e colabore com algumas dicas! 

Comentários

Posts Relacionados