Mercado imobiliário: o que esperar de 2017

Mercado imobiliário: o que esperar de 2017

Corretor, você está animado com as perspectivas do mercado imobiliário para 2017? Pois deveria, porque a estimativa dos especialistas é de crescimento nas vendas, principalmente por conta da queda da inflação que ficou alta por dois anos consecutivos, passando de 10,7% em 2015 para 7,2% em 2016 e da taxa de juros. A projeção da retomada do crescimento econômico está deixando otimistas os estudiosos do setor, por isso prepare-se para o período fértil aproveitando esse comecinho de ano para investir em ferramentas que potencializem o potencial da sua imobiliária. Veja o que o que esperar de 2017!

Mercado imobiliário mais aquecido com queda da inflação e da taxa de juros 

A queda da inflação é um dos pontos mais positivos na análise dos especialistas, que preveem famílias com maior renda disponível e maior possibilidade para investimentos. A inflação, que caiu de 10,7% para 7,2% entre 2015 e 2016, tem previsão de ficar em torno dos 5,07% este ano – de acordo com o último Relatório Trimestral de Inflação do Banco Central – aumentando o poder aquisitivo e facilitando tanto a economia para entrada na casa própria como o pagamento de financiamentos imobiliários.

Os especialistas alertam também para a retomada do crescimento na área da construção civil já que os preços mais baratos dos materiais e da mão-de-obra reduzem os custos, incentivando lançamentos e também tornando o valor dos imóveis mais acessíveis para uma parcela maior da população.

A redução da taxa de juros e o crescimento do produto Interno Bruto (PIB) também são considerados fatores decisivos para esse quadro positivo no mercado imobiliário, ajudando a impulsionar as vendas de imóveis. De acordo com o Banco Central, o PIB deverá crescer 1,3% este ano, ainda que a estimativa do Fundo Monetário Internacional (FMI) seja bem menor, cerca de 0,5%. O crescimento do PIB, por outro lado, faz com que as indústrias produzam mais, automaticamente contratando também mais mão-de-obra, o que reduz o índice de desemprego.

Financiamentos também deverão ficar mais baratos

Por outro lado a Selic, uma das ferramentas utilizadas para regular a inflação e que encarece os empréstimos para frear o potencial de consumo da população, deverá cair dos 13,75% dos últimos meses para próximo de 11% já nos primeiros meses de 2017, tornando os financiamentos mais baratos. O cenário, portanto, tende a ser mais equilibrado na economia, favorecendo o mercado imobiliário.

A expectativa, portanto, é de retomada do equilíbrio do mercado imobiliário a partir desse ano, com o valor dos imóveis subindo lentamente mas em um ritmo constante. A hora, de acordo com os experts da área, é de reavaliação das estratégias de construtoras, incorporadoras, imobiliárias e corretores para adequar rotinas ao novos tempos que estão se aproximando. As ferramentas online são apontadas como as melhores táticas para atrair a atenção do novo consumidor, já que 90% das atividades imobiliárias têm início do ambiente virtual.

Atenção às mudanças no perfil dos consumidores 

Por outro lado, da mesma forma que economia, o perfil do consumidor também deverá passar por transformações, que devem ser acompanhadas de perto para adaptação das campanhas de marketing digital. Este é justamente um daqueles períodos em que o conhecimento bastante específico e atualizado do público-alvo poderá fazer toda diferença para o aumento das vendas, com decisões assertivas que criem novas oportunidades de interação e relacionamento com os clientes em potencial.

A dica é criar mecanismos de ‘automação de rotina’ que permitam aos corretores mais tempo para cuidar pessoalmente do relacionamento com seus clientes, que buscarão orientações mais específicas sobre o novo mercado imobiliário que começa a se desenhar em 2017. Para se ter uma ideia, o próprio Banco Central prevê que este ano deverá chegar ao fim com uma taxa de investimentos com uma lata na ordem de 4%, enquanto 2016 terminou com uma queda de 8,7%. De um modo geral, ainda segundo o Banco central, as famílias deverão ter uma alta real de consumo de 0,8% durante este ano.

É ficar preparado para não deixar passar nenhuma oportunidade no mercado imobiliário, que dá seus primeiros passos rumo ao retorno do crescimento – e aproveitar para crescer junto com ele.

E você, como está se preparando para encarar os desafios do mercado imobiliário agora em 2017 e aumentar suas vendas? Já pensou na sua estratégia? Conte suas ideias para a gente, aqui nos comentários! 

Comentários

Posts Relacionados